Sufixo

editar

Dica de uso
Após s ou x, inocorre:
lápis torna‐se lápis
tórax torna‐se tórax
Exceções
O sufixo ês que indica nacionalidade leva s após a inserção de um e, formando eses—note que fora escrito ez:
português torna‐se portugueses

Após l, o l é retirado. Se o restante não termina em i, este i é sufixado:
anel torna‐se anéis
canil torna‐se canis
Exceções
Em provenientes do sufixo latino -ilem do acusativo singular, cujo nominativo singular é -ilis, o il final converte‐se a ei:
fácil (latim facilem) torna‐se fáceis (latim făcĭlēs)
projétil (latim proiectilem) torna‐se projéteis (latim proiectiles)
Inadaptado do inglês goals no plural e goal no singular, gol torna‐se gols.

Após r ou z, como no latim, o sufixo sucede um e, formando es:
par torna‐se pares
feliz torna‐se felizes

Após ão, este transforma‐se a õe:
limão torna‐se limões
Exceções
Em descendentes de acusativos latinos com final singular ănĕm e plural ănēs, ão altera‐se a ãe:
cão (latim canem) torna‐se cães (latim canes)
pão (latim panem) torna‐se pães (latim panes)
Há plurais outrora regulares com s ante ão—parcialmente provieram dos acusativos latinos terminados em ānŭs no singular e ānōs no plural, parcialmente são corruptelas severas do latim:
bênção (latim benedictionem) torna‐se bênçãos (latim benedictiones)
são (latim sānŭs) torna‐se sãos (latim sānōs)

‐s

  1. sufixo formador de plural

Etimologia

editar
Da desinência latina -es do acusativo plural.

Pronúncia

editar

Brasil

editar

Carioca

editar

Portugal

editar

Ver também

editar

No Wikcionário

editar

Sufixo

editar

‐s

  1. em substantivos sufixo pluralizante
  2. em verbos terceira pessoa do singular do presente do indicativo

Pronúncia

editar

Etimologia

editar
De 1:
Do sufixo pluralizante do nominativo e acusativo de substantivos fortes (irregulares) -as do inglês antigo .
De 2:
Das desinências da terceira pessoa do singular -es, -as do dialeto nortúmbrio do inglês antigo.